Does it make any sense?! No? So, welcome.
30
Abr 08
publicado por Andi, às 21:38link do post | comentar

...de números, letras aleatórias, hieróglifos , símbolos inventados, escrita runa (...) já tudo me parece igual, apenas uma espécie de gatafunhos incompreensíveis que perpassam pelos meus olhos que tentam registar o que vêm, mas não o conseguem, pois tudo o que havia em mim que conseguia ter uma linha de pensamento racional, foi-se. Chegou finalmente a irracionalidade pura e simples, como se até agora ela estivesse misturada com impurezas e eu apenas a decantei. Eu ou os outros, sim os outros, que me obrigam a trabalhar incessantemente, a caminhar para um destino inexistente, quiçá o sistema me obriga.

Por isso não tenho escrito, tenho andado atulhada com treta até ao pescoço, não consigo escrever nada decentemente, tenho a minha história ainda no início, mas meus caros, mais tarde, mais tarde, mais tarde... Daqui a uns dois meses  vou poder recuperar da maravilha que é o desgaste que os exames e a escola, e a porcaria de trabalhos inúteis são, até lá, vou tentar actualizar o blog, mas sem prometer escrever qualquer coisa decente.

tags: , ,
sinto-me: esgotada
música: neste momento nem ouço

14
Abr 08
publicado por Andi, às 19:19link do post | comentar | ver comentários (3)

Quanto mais me dizem sim, menos eu quero. Quanto mais me tentam convencer, mais céptica me torno. Quando é suposto eu gostar de coisas "femininas", e ter certos comportamentos que ficam bem a qualquer menina da minha idade, não os tenho, e orgulho-me disso. Serei menos mulher por isso? Não o sinto, aliás sinto-me mais mulher por ser como ser, sem ter que fingir que gosto de falar sobre limpezas e a melhor maneira de arranjar as unhas, e pintá-las de mil e uma cores, nem ir constantemente às compras, embora admita que esporadicamente faz muito bem. Gosto de andar descalça, gosto de esfregar os olhos com muita força de manhã, para acordar, sem ter a preocupação se estão borrados, gosto de estar confortável, gosto de saber que se estiver atrasada posso correr à vontade, pois os sapatos assim o permitem... Gosto de sair de casa, e dar voltar por aí, gosto de ver os bichos que passam na parede e às vezes tocar neles. Gosto, não gosto, gosto, não gosto, gosto, não gosta... Não importa, os gostos são mutáveis, mas a minha essência não (pelo menos assim espero), e se isso significar ser uma espécie de ET em algumas situações, que o seja! Pronto, mais uma confidência irracional. Demência libertada por fim.


Só para dizer que podem mandar as respostas ao desafio fragmento para o meu email, que que esses mesmo textos vão ser postos aqui daqui a duas semanas.
sinto-me:
música: Just like heaven - The Cure

06
Abr 08
publicado por Andi, às 22:23link do post | comentar | ver comentários (7)

Portanto, como já tinha dado a ideia e até algumas pessoas já aderiram, esta ideia de continuarem certos posts que escrevo vai para a frente. O primeiro já saiu e tem como nome "Fragmentos", possivelmente os outros também terão o mesmo nome, para se poderem orientar. Mas antes de lançar o desafio há a impor algumas regras.

1. Para cada "Fragmento" só podem haver, no máximo, cinco textos. É bastante complicado avaliar muitas continuações só para um único texto, e eleger só uma.

2. Quem quiser participar terá que se inscrever, escrevendo um comentário no post do "Fragmento". Os cinco primeiros a inscrever-se serão os que se comprometerão a escrever o resto da história. Se houver mais alguém interessado, terá de esperar por uma próxima vez.

3. Um fragmento sairá num Domingo à noite, de três em três semanas, pelo que os leitores têm esse tempo para elaborar a continuação da história.

4. A continuação do fragmento será enviada para o meu email - andi@sapo.pt - e deverá ter nome e o url do vosso blog ou site, o que quiserem pôr para se identificarem. A história não terá qualquer mínimo ou máximo de palavras, fica ao vosso critério. Mas terá que dar uma espécie de continuação e/ou final ao fragmento.

5. Todas as histórias deverão ser enviadas para o meu email até duas semanas após o fragmento ter sido escrito, para eu as colocar no blog, efectuando-se a votação online. que terá a duração de uma semana.

6.A história vencedora será editada num post juntamente com o fragmento.

E ainda não pensei muito numa forma de dar destaque a isso. Logo penso nisso, e conto também com a opinião dos possíveis participantes. Aliás, se não concordarem com estas regras, ou quiserem acrescentar algo, comentem a expressar a vossa opinião.

sinto-me: feliz :D
música: The Cure - Boys don't cry

04
Abr 08
publicado por Andi, às 18:08link do post | comentar | ver comentários (10)

Ahhh, fui destacada!!!  Fiquei tão babada! Desde já os meus agradecimentos à equipa do Sapo, e à Jonas, que teve a gentileza de sugerir o meu destaque. É claro que os meus leitores não ficam de fora, e que fizeram com que eu continuasse com o blog, o Jossy, o Stuntlucas, o JP, a Mel de Vespas, entre outros, que tiveram sempre interesse nas minhas irracionalidades!

 

sinto-me: babada
música: Nesta altura nada...

03
Abr 08
publicado por Andi, às 23:31link do post | comentar | ver comentários (6)

Ao postar a última história, desta vez fragmentada, e ao receber um comentário que dizia que dava vontade de continuar a imaginar a história, que eu não me tinha proposto a acabar, como o nome indica, é um fragmento de algo, uma vida, uma outra história, quem sabe... Mas como ia dizendo, ao receber esse comentário lembrei-me que poderia desafiar todos os leitores das minhas historinhas (deprimentes) que as continuem, que lhes dêem um fim. Não interessa se é muito ou pouco, não interessa a forma. Depois as continuações era postadas aqui, e haveríamos de arranjar uma forma de lhe dar visibilidade .

 

Achei que era uma ideia gira. Mas gostava de saber a vossa opinião. Porque se não existirem interessados, não vale a pena, isso inclui-te ó three number three " ( o meu leitor mais assíduo que tem muitos nomes...), e já agora de que forma se dava a selecção.

 

Deêm a vossa opinião.

sinto-me: feliz, mas já com sono
música: Wild Man Blues - Louis Armstrong

publicado por Andi, às 20:57link do post | comentar | ver comentários (9)

O sol encontrava-se escondido por trás de nuvens negras e espessas que teimavam em aparecer, e que ameaçavam a metrópole de chuva iminente. Aquela chuva miudinha e irritante, ao início, e depois grossa, formando autênticas cordas de água. Opacas, frias, e com uma intimidade provocativa, imiscuindo-se nas roupas grossas dos transeuntes, e deslizando pela pele arrepiada de suores frios. Existia quem se pusesse debaixo da chuva só para sentir essa sensação, havia também quem a evitava a todo o custo.

Cristiano era uma dessas pessoas. Encontrava-se na estação de metro, suja e vandalizada, com cartazes publicitários anunciando produtos inúteis e fúteis , na sua opinião, e que escondiam as paredes repletas de frases escritas a corrector denunciando as paixões de miúdos imberbes e raparigas ingénuas e sonhadoras.

Nada disto lhe dizia algo, nenhuma recordação, memória por mais breve que seja era desperta na sua mente. Aliás nem conseguia pensar em nada, estava tanto frio que parecia que cortava, mas estava protegido ali, da chuva... e das outras pessoas. Os outros... Detestava a sua companhia, os seus olhares perscrutadores à procura de um sinal, uma fraqueza, olhares insaciados de mesquinhez e banalidades. Não que o conhecessem, não , ninguém o conhecia.  Também não se dava a conhecer, nem queria, nunca saía de casa, nunca, esta era uma das raras ocasiões em que era obrigado a sair de casa, tinha de ir renovar o Bilhete de Identidade, burocracias que ele dispensava bem, se o pudesse. Não saía de casa há dois anos e meio, e nada havia mudado naquela cidade cinzenta e monótona.

Ouviu o barulho do metro a chegar. E o aglomerado de pessoas a aproximar-se, afastou-se um pouco mais, ficando numa zona sombria da estação. Não gostava de se misturar no magote de pessoas, e o seu coração batia mais depressa perante a perspectiva de uma viagem de meia hora até ao local pretendido, e depois meia hora de novo para trás. Que suplício!

 

Foi o último a entrar, evitando qualquer tipo de contacto, com os outros, nem olhava as pessoas directamente. Sempre de cabeça baixa entrou no metro que se encontrava abafado, infestado de micróbios e bactérias das outras pessoas, uma amalgama de agentes infecciosos todos reunidos no mesmo lugar. Não se sentava nunca, ainda se houvesse lugar, como naquele caso não havia. Mas sentar-se onde já se sentaram milhares de pessoas fazia-lhe confusão! Portanto ficou de pé, agarrando-se aos bancos, sempre com luvas, evidentemente. Aí a porta fechou e começou a invadi-lo uma sensação de mal-estar, de sufoco, mas que conteve com muito autocontrolo .

 

*

5 minutos

Ainda não percorreram quase nada do trajecto e já estão a parar novamente, mais pessoas entram, outras saem, uma confusão de pessoas a acotovelar-se e a sofrer empurrões deste e daquele outro. E Cristiano , lá no meio, branco de não apanhar sol, com umas olheiras negras profundas, metido dentro de uma camisola preta, e umas calças de ganga que lhe ficavam a dançar, completado com um casaco comprido por cima, umas luvas e um cachecol, todos de cor escura e lúgubre, que lhe davam um aspecto estranho, no entanto não deixava de ser atraente. Cabelos luzidios pretos, olhos verdes claros e brilhantes, mãos finas e os seus vinte e seis anos à flor da pele faziam com que muitas mulheres se sentissem tentadas a olhá-lo demoradamente, ou mais que uma vez.

*

10 minutos

 

Nada disso o interessava. Não mantinha relações com ninguém, apenas tinha os avós que já eram idosos e que viviam no interior do país. Perdera os pais há uns seis anos, e desde então tem vivido sempre sozinho no seu apartamento pouco mobilado, sem fotos, sem imperfeições que mostrassem a sua vida, nenhum arranhão na madeira causado por algum salto alto de uma mulher que poderia ser a sua, nenhum objecto partido por um miúdo que poderia ser um vizinho, sobrinho, filho até! Filhos, ha !, nada mais afastado dos seus pensamentos...

Um casal de adolescentes namorava num dos bancos, trocando beijos afectuosos, dando as mãos e partilhando sorrisos e confidências. Cristiano observou-os. Observava as outras pessoas quando tinha a certeza que nenhuma delas o observava, fazia-o sentir invisível, como gostava, uma espécie de divindade que podia observar todos e saber os seus segredos, os seus vícios... Passava despercebida a maior parte dos detalhes fundamentais às pessoas comuns, que usavam o metro todos os dias e que já estavam habituadas a não ver, embora pensassem que vissem. 

Como era incrível encontrar pessoas diferentes num metro, por momentos alheadas da sua vida. Como se aquele metro fosse uma membrana protectora do que existia lá fora... Mentiras, desilusões, amargura, pessoas que ansiavam por sugar toda a felicidade que tinham, ainda que essa felicidade fosse efémera.

À sua frente encontrava-se uma senhora de, aproximadamente cinquenta anos, roliça, de cabelo pintado de castanho escuro, com olhos redondos e mortiços. Perguntou-se sobre o que a atormentava, que medos, que segredos escondia, o que fazia com que roesse as unhas até ao sabugo, e descuidasse da sua imagem, visto que as raízes apareciam brancas já. Os sapatos desamarrados, a alheação a tudo...

 

Enfim, já se começava a impacientar com a lentidão do Tempo.

*

15 minutos

Metade da viagem, e o metro cheio. O suor escorria-lhe pela cara lívida, embora o calor nem fosse tanto. Estava meio de um monte de pessoas, que falavam demasiado alto, gesticulavam expressivamente, e que não paravam de se mexer. Isso enervava-o. O que o enervava também era os solavancos do metro a arrancar e a parar, o que fazia com que os passageiros ao seu lado, caíssem por cima dele constantemente. Tentava afastar-se, mas não o conseguia fazer a tempo. Tocavam-lhe. Magoavam-no. Punham-lhe os pés por cima. Não suportava as suas caras de simpáticos, sempre murmurando um "Desculpe!", ou "Sabe como é, ir em pé...", os sorrisos afectados, tudo parecia fazer chacota dele.

Olhou para o relógio mais uma vez.

Um cheiro nauseabundo enche o ar, que se torna pestilento e doentio. Alguém vomitou. Provavelmente uma criança, de uniforme azul, que encontrou na segunda paragem, vinha com ar bastante adoentado, penso ele.

Após algum tempo, não conseguiu pensar em mais nada, apenas aquele cheiro pestilento e nauseabundo, que lhe toldava a mente, atenuava todos os outros sentidos, só conseguia lembrar-se do dia em que vomitou num autocarro, andava no sexto ano. Nem sabia como se tinha lembrado de tal facto, já havia passado tanto tempo. Já nem se reconhecia como aquele rapazinho pequeno e franzino, que usava óculos redondos, e que falava com todos, embora não tivesse muitos amigos. No entanto, o cheiro forte voltou a inundar a sua mente, e essa lembrança desvaneceu. Agarrou-se com mais força.

*

25 minutos

Reparou num rapazito franzino que se encontrava sentado uns bancos à frente, ao lado da mãe. Tinha estado parado a viagem toda, pelo menos assim parecia, pois só lhe conseguia ver a cabeça pequena. Então o rapazinho olha-o de forma estranha, inusitada com curiosidade, numa expressão que lhe devia ser intrínseca , infantil e ao mesmo tempo madura, e um pouco acusativo.

Ficou um pouco espantado, mas depois reparou melhor nas feições do menino que deveria ter uns nove anos, e não lhe eram estranhas. E isso sim, era algo quase irreal, uma vez que achava as pessoas todas iguais... Mais que curioso, sentiu-se perturbado. Afinal, não era só ele que via o que os outros não viam.

 

*

30 minutos

A porta abriu-se e saiu num misto de alívio e repreensão. Já cá fora, pôde respirar um pouco, não ar puro, mas sim uma combinação de ar e fumo proveniente das mais diversas fontes. E então lembrou-se! Já sabia quem poderia ser...

Enfiou as mãos na algibeira, e evitando as outras pessoas lá se dirigiu ao seu destino.

 

Imagem retirada de Deviantart


Como esta viagem, existem mais longas, sem grandes percalços e onde nem damos pelo tempo passar. Viagens que nos modificam e transformam. Já há três meses que viajo contigo, num ritmo  suave e tenho ganho alguma bagagem, essencial, e tenho adorado. Espero continuar a viajar...

 

sinto-me: feliz
música: Mess Around - Ray Charles

01
Abr 08
publicado por Andi, às 20:18link do post | comentar

Encontrei este video no youtube e achei piada, porque para já não sabia que Ray Charles tocava saxofone, e segundo não sabia que ele tocava tão bem... Também não é de estranhar, sendo um ícone na música como ele é. É de 1964, num concerto no Brasil, e é espantoso como o Jamie Foxx é parecido com ele no filme Ray, que é um filme bigráfico deste músico, já falecido na altura da estreia. Eu nem gosto de jazz, mas não dispenso ouvir Ray Charles, é daquele tipo de música que faz bater o pé e querer dançar, embora eu não o saiba... Aqui fica o vídeo.

sinto-me: bem
música: Ray Charles

pesquisar neste blog
 
Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29


subscrever feeds
blogs SAPO