Does it make any sense?! No? So, welcome.
06
Ago 07
publicado por Andi, às 14:18link do post

Acordou às seis da madrugada, estremunhada, assustada, com medo... Sentiu algo muito estranho, que não devia estar ali, que não pertencia àquele lugar inóspito e deserto...

 

A casa, como todos lhe chamavam era uma habitação antiga, com altas portas e janelas, pintadas de branco, mas de branco já pouco tinham, pois o tempo havia desgastado a casa e a sua alma... À volta da casa havia um jardim, maltratado, com ervas rebeldes despontando onde havia espaço, e flores já só havia daquelas amarelas, como Fantasia as descrevia, que deixam um gosto amargo quando se trincam...

 

De um salto, saiu da cama, e dirigiu-se para o exterior, para a rua... Não sabia para onde ia, mas os seus pés levavam-na numa direcção exacta, sem vacilar. Passado algum tempo, e com algumas feridas nos pés, pois não havia levado uns chinelos, chegou à praia. E paralisou durante um pouco, em êxtase com o que via, o mar, como uma criança, infantil, vinha ao seu encontro, mas fugia novamente e Fantasia deixou-se ficar, na areia, descalça.  O mar dava-lhe uma sensação de serenidade, de paz, embora ela não o soubesse explicar, o mar transmitia-lhe calma que nunca antes alguem  lhe dera.

 

Portanto, deixou-se ficar, em pé, com os pés enterrados na areia, esperando que o mar se aproximasse mais um pouco, que lhe segredasse algo... Queria que fossem amigos! Não gostava das pessoas, falavam demais, mexiam demais, faziam demais, não sabiam quando esperar! Mas, adorava o mar, à sua maneira, da sua forma...

 

Ficou daquela forma quase o dia todo, sem comer e sem sentir necessidade disso, aliás, não sentia necessidade de coisa alguma. Na Instituição já estavam habituados às suas idas à praia, mas não gostavam que saisse demasiado dali, uma hora ou duas no máximo.... Sabiam que Fantasia acabaria por voltar, mas não deixariam passar em branco esta infracção.

 

Quando já se via o sol a por, vermelho, enorme, juntando-se com o mar e formando uma mistura de tonalidades, a maré trouxe um objecto até aos pés de Fantasia. Pequeno, de metal, disforme, provavelmente uma parcela de algo atirado ao mar. Ao examiná-lo, a rapariga tomou-o como um presente do mar, uma prova de que poderiam ser amigos e que ele tinha gostado da sua companhia. Resolveu então, regressar à casa, e decidiu passar ali outro dia...


Olá Andi, bom dia.
Excelente tema. Estou a gostar do rumo da história, por isso aguardo pelos próximos capitúlos.
Gostava de ver mais uns adjectivos pelos espalhados pelos teus textos, acho que lhes darias mais "cor"...
Desculpa estar a meter assim uma "bucha tão descaradamente, mas é apenas para te dar uma dica que podes ou não querer utilizar.
Abraço
Flame a 7 de Agosto de 2007 às 11:05

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




pesquisar neste blog
 
Agosto 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

14
15
16
17
18

19
21
22
25

28
31


subscrever feeds
blogs SAPO